Arquivo da tag: call of cthulhu

Late Bloomer: aula de educação sexual ao estilo Lovecraft

Anúncios

S.I.DE. – Special Investigations DEpartment – texto 2

Bem, já tinha definido o plot para acampanha de Ctulhu. Um plot onde os personagens pudessem investigar caso após caso sem ter que se preucupar com a motivação.  o S.I.DE. seria um departamento novo do Bureau of Investigations (O futuro FBI) que investigaria casos estranhos. Para a campanha eu não queria algo tão sofisticado como uma sede de policia ou até que os agentes compartilhassem as dependências do Bureau.  Queria algo mais ao estilo dos Caça-fantasmas, com uma sede própria onde os personagens pudessem adaptar e criar. Segue entãoa criação da sede

Cartas do Chefe Simpson

Boston, 10 de outubro de 1922

Caro Watson

Desde já quero agradecer os conselhos que me deu em sua última carta. Realmente agora estou começando a aceitar melhor a minha nova tarefa. Foi triste o dia que me despedi dos rapazes do departamento. Você sabe como é, já passou por isso. O pior foi ver o sorriso de satisfação do Charlie e as chacotas do pessoal.

Mas estou superando bem, principalmente quando soube que na minha nova posição de chefe do S.I.DE. Boston terei um salário melhor e total liberdade de ação. Principalmente no que se refere a estruturar a equipe e o local de trabalho.
Seguindo seus conselhos, decidi que o melhor seria ficar um pouco fora do centro da cidade. Lembra da casa da Viúva Nelson? Aquela de três andares? Entramos nela há quase 20 anos quando fomos investigar a morte do Dr. Nelson. Pois é, ela estava abandonada desde a morte da viúva e acabei de comprá-la para o S.I.DE. e estou iniciando a reforma. Estou te mandando fotos dela. Sabia que a viúva mandou instalar um elevador na casa quando ela não podia subir mais as escadas?

Em princípio, o primeiro pavimento será a área social, onde ficará a secretária/ recepcionista, salas de espera, cozinha, sala de jantar, banheiro, e biblioteca.

No segundo andar pretendo fazer a minha sala, a sala dos agentes e a sala de reuniões e briefing. Quero transformar o sótão em um dormitório coletivo, caso os agentes precisem pernoitar na casa.

O mais interessante é que a casa possui um grande porão, que pretendo transformar em uma área multi-uso, com espaço para experiências e análises científicas, espaço para exercícios e armário para o armamento mais pesado. O que achas de minhas idéias?

Ah! Já ia me esquecendo, também comprei, para os agentes utilizarem nas missões de campo, dois carros e uma motocicleta com sidecar. Consegui que um pequeno avião também que ficará no clube aeronáutico local e uma pequena lancha. Esses dois últimos são compartilhados com outros departamentos governamentais, ou seja estamos em último na preferência.

Como você pode ver estou me animando e quem sabe o S.I.DE. não vai resolver mais casos que o departamento do meu “amigo” Charlie. A esperança é a última que morre.

Do seu grande amigo,

John Simpson

Casa

Planta da casa

Veiculos



S.I.DE. – Special Investigations DEpartment – texto 1

Como já comentei nesse blog, um dos meus RPGs favoritos é  o Call of Cthulhu, um rpg de investigações dentro do universo do escritor H.P.Lovecraft. O jogo é legal, mas tem um grande problema, ele funciona bem para aventuras one-shot, mas para campanhar com várias aventuras o jogo já não funciona tão bem, afinal, qual seria  o motivo para os personagens enfrentarem  horrores lovecraftianos a cada sessão de jogo.

Pensando em como resolver esse problema, eu criei o S.I.DE. –  Special (Supernatural) Investigations Department, ou o Departamento de Investigações Especiais (Sobrenaturais). Um departamento recém-criado do Burau of Investigations (o futuro FBI). Isso permite fazer aventura atrás de aventura e suprir um problema dos jogos comuns do Call of Cthulhu, o acesso dos persoangens às residências e pistas.

Criei o S.I.DE. como um misto de Arquivo X e Caça-fantasmas, com civis sendo treinados pelo governo para missões de campo envolvendo casos estranhos.

Segue então o primeiro texto que produzi ambientando a campanha:

Cartas do Chefe Simpson

Boston, 13 de setembro de 1922

Caro Watson,

Sei que não tens tido notícias minhas por muito tempo, mas como meu mais prezado amigo resolvi te escrever para que possas me aconselhar sobre o rumo que a minha vida está tomando.

Você se lembra do Charlie, aquele crápula que trabalha no meu departamento. Já te contei que elee nunca foi com a minha cara, e passou a me odiar e a constantemente sabotar meus planos de ascensão no trabalho. Pois é, isso se acentuou após a ele perder o parceiro dele em uma missão na qual eu também estava envolvido. Tenho total certeza que o rapaz não teria morrido se o Charlie tivesse cooperado mais e me ouvido. Mas ele além de não me ouvir, passou a me culpar pelo o que ocorreu com seu parceiro.

Você deve estar se perguntando porque estou falando tanto do Charlie, o fato é que ele manipulou o comitê e foi promovido em meu lugar passando a ser o meu superior direto no departamento. Você deve, agora, imaginar o tormento pelo qual estou passando tão perto de me aposentar.

Ele armou contra mim, me boicotou e me jogou em trabalho burocrático, ele está transformando a minha vida num inferno. O problema é que se eu pedir as contas, perco a minha aposentadoria, e Martha quer que eu me aposente e tenha uma vida mais tranqüila.

Finalmente Charlie conseguiu o que queria, me chamou à sua sala e disse que o Departamento de Defesa do EUA estava criando uma nova seção chamada de S.I.DE. (Special Investigation DEpartament), um departamento para investigar casos estranhos que não foram resolvidos. O Senador Kelly, lembra, aquele senador não muito normal que acredita que há alienígenas no meio de nós, conseguiu um acordo com o governo. Iria votar um aumento do orçamento para a Segurança Nacional em troca de ter o S.I.DE. criado. Mais desprestígio impossível.

Voltando ao Charlie, ele me botou na parede. Ou eu aceitava o “convite” de ir chefiar a delegacia local do S.I.DE. e saia do departamento dele (e meu também por 25 anos) ou então ele iria me exonerar do meu cargo antes da minha aposentadoria chegar. Bem não vou gastar espaço aqui repetindo todas as formas como ele pretendia fazer isso caso eu não aceitasse. Fazer o quê?. Aceitei. Logo eu que nunca acreditei nessas coisas de fantasma, culto ao diabo, lobisomem, ET e sobrenatural. Pelo menos estaria livre do Charlie. Meu chefe direto estaria em Washington e o pior dos problemas talvez fosse esse Senador.

Passei a ser a gozação do departamento nos meus últimos dias lá, todo mundo me perguntava sobre o cavaleiro sem cabeça,etc. Tive que me controlar para não esmurrar o Joe, lembra dele? O cara encheu a minha mesa de fantasminha de papel e disse que agora eu seria um caça-fantasma, que eu poderia deixar os bandidos de verdade para eles, que estariam num departamento de verdade. Filho de uma égua!!!

Pois bem Watson, te contei um pouco do que aconteceu comigo nesses últimos dias. Espero que possas me aconselhar sobre que rumo tomar, pois não imaginava que quase aos 60 anos de idade fosse comandar um departamento para investigar crimes alegados ao sobrenatural. Acredito que terei muitas dificuldades pela frente, pois o meu tempo é curto. Esse tal de Senador Kelley quer o departamento funcionando até o final do verão e não tenho a mínima idéia de quem, dentro das agências do governo, vai querer se juntar a mim.

Do seu grande amigo,

John Simpson


O que é Call of Cthulhu RPG?

Meu amigo Luciano colocou uma ótima descrição no blog dele, Mundo tentacular,  que é dedicado excluivamente ao RPG. veja a texto aqui.

Veja abaixo a animação do pequeno Cthulhu, que explica um pouco sobre a mitologia criada por Lovecraft.

Londres em 1927

Para os que jogam Call of  Cthulhu

Call of Cthulhu

 

Texto de Victor caminha retirado da Rede RPG

“Vivemos numa ilha de ignorancia plácida, entremeada em mares negros do infinito, lugar que nao foi feito para a humanidade viajar. Talvez a maior das dádivas neste mundo seja a incapacidade da mente humana correlacionar todos os fatos… Mas um dia, a reunião deste conhecimento esquecido abrirá portas à realidade…Da qual enlouqueceremos com a revelação, ou fugiremos da luz para a paz e segurança de uma nova idade de trevas”

O texto acima resume o universo que o autor H.P Lovercraft tinha em mente quando criou seus contos de terror, nas quais uma de suas obras , “The Call of Cthulhu”, inspirou o RPG. A Terra não é apenas o berço da humanidade, mas principalmente, lar de entidades, raças ,SERES de um poder nconcebível pela raça humana, que a mera noçao de sua existência é suficiente para enlouquecer sua mente frágil.

As campanhas de CoC geralmente tomam parte nas épocas de 1890, 1920 ou 1990. Utiliza-se um sistema simples baseado por D10 em porcentagem, determinando de acordo com o valor percentual da skill para sucesso ou falha. Os personagens são escolhidos entre as vocações (médico, antiquário, detetive particular, etc) sendo submetidos à aprovação do Keeper (mestre de jogo). Estas vocações diferem basicamente nas skills que cada uma possui, assim como aquelas escolhidas pelo jogador. Além das skills , outros dois fatores determinam a sobrevivência do personagem: os Hit points (pontos de vida) e a Sanidade. Esta ultima demonstra o grau da estabilidade mental do personagem, este podendo adquirir fobias, psicoses ou insanidade permanente cada vez que entra mais em contato com o mundo desconhecido..a Terra clamada por Cthulhu, Shubb-Niggurath, Yog-Sothoth,e outros que esperam o dia em que as estrelas estarão alinhadas ,despertando para clamar o mundo que lhes pertence…

Frágil? Sim .Neste RPG os personagens são simples e vulneráveis seres humanos, que arriscam sua vida e sanidade ao confrontar o desconhecido. Esta fraqueza ante as raças superiores explica porque CoC é considerado uma das obras-primas do terror: você não tem como lutar ,não pode ignorar o que existe a sua volta, nem as sombras que sua mente alucina ao acordar no meio da noite com pesadelos de amigos e próximos que pereceram pela humanidade. Se há desigualdade de forças, e a morte não é incomum em sessões de Cthulhu, este cenário faz com que personagens que pretendam viver o dia seguinte usem a inteligência. Investigação, planejamento, são armas mais eficazes que rifles e granadas.

Depois de ler os Os livros do Senhor dos Aneis, eu comecei a ler muitos livros do Stephen King e quando dei por mim estava lendo H.P.Lovecraft também, numa edição que não existe mais de uma editora que, creio eu, já encerrou as atividades. Nessa mesma època um amigo tinha me falado de alguns RPGs que estavam fazendo sucesso lá fora. Dois jogos de uma editora chamada Chaosium. Um deles era o Knights of Pendragon, onde os jogadores eram cavaleiros da tavóla redonda eo outro jogo era o Call of Cthulhu, onde os jogadores eram investigadores do oculto, mas não era um sobrenatural qualquer, era o sobrenatural do Lovecraft. Aquilo explodiu minha cabeça.

Em 1991, viajei para os Estados Unidos, consegui o endereço de uma game shop que ficava no Rockfeller center. Quando cheguei lá, pedi pra ver o materialde call of  Cthulhu, e quando o rapaz da loja me mostrou as prateleiras e mais prateleiras de livros do jogo, enloqueci. Gastei na loja tudo o que eu tinha na época. Hoje não seria muito, mas prum rapaz de 17 anos/18 anos era uma dinheirama.  Valeu o sacrificio, voltei carregado com os melhores livros de RPG que eu possuo até hoje. Um deles é a caixa ao lado, onde os jogadores tem que viajar por toda a Europa no Expresso Oriente resolvendo mistérios pelo caminho.

O sistema do jogo é um sistema simplificado do que a Chaosium utilizava nos seus outros RPGs, mas o clima do jogo e o cenário é algo que conquista qualquer um que lê. O único jogo na época onde o jogador  além de morrer, poderia sair do jogo por ter ficado louco ao ver as craturas abismais que existem no mundo. O jogo permanece atual mesmo quase 30 anos depois do seu lançamento. Com ótimo material de primeira saindo até hoje.

Mesmo casado, com filhos e com uma imensa falta de tempo. Até hoje jogo Call of Cthulhu, mantenho 2 aventuras em foruns na qual eu mestro para grupo excelente de jogadores.  Qual o sentido desse post, além de babar o ovo de um sistema velho????  É que o jogo é um dos poucos em que eu acompanho os principais lançamentos do mercado, e com isso, pretendo utilizar o espaço desse blog para colocar resenhas do material que vai saindo. Espero que gostem….

Para quem entende inglês estou colocando o Vidcast Game Geeks de Kurt Wiegel, um jogador Old School, cujas opiniões batem 90% com as minhas. Ele tambem será presença marcante nesse blog.

E  o trailer do filme Call of Cthulhu